Palavra do Presidente

População cambuquirense, já diz o ditado: “a prevenção é o melhor remédio”! O mosquito da dengue está cada vez mais forte e aumenta o número de doenças transmitidas por ele. Vou transcrever um pouso sobre o tema.Na gravidez, as defesas do organismo contra doenças ficam mais fracas, e isso quer dizer que a dengue pode ter sintomas mais graves em gestantes. A doença pode ser perigosa, causando complicações como hemorragia, convulsões, falência hepática e até a morte. Por isso é essencial preveni-la e tratá-la o quanto antes.
Na maior parte dos casos, o bebê não é afetado se a mãe pegar dengue durante a gravidez. Mas, se for uma infecção grave, pode levar a complicações como parto prematuro e anomalias fetais. A transmissão vertical, ou seja, da mãe para o bebê, ainda está sendo estudada, mas há alguns casos documentados em que ela ocorreu, e o recém-nascido apresentou a doença.
É importante procurar assistência médica logo, para diminuir o risco para você e para o bebê. Na grande maioria das vezes, com o atendimento correto, a mãe se recupera sem problemas e fica tudo bem com o bebê.
Quais são os sintomas?
A dengue começa com febre alta repentina, dor de cabeça e em torno dos olhos e dor muscular e nas articulações. Entre outros sintomas estão tremores, diarreia, enjoo, perda de apetite, mudanças no paladar, sensibilidade ao toque, vômitos e em alguns casos placas vermelhas na pele. Os sintomas começam três dias depois da picada. Como esses sintomas são muito parecidos com os de qualquer outra infecção viral ou com os da gripe, só um exame de sangue específico pode confirmar a presença do vírus da dengue. O resultado, no entanto, pode demorar dependendo do tipo do exame.
O importante é iniciar o tratamento o mais rápido possível, mesmo sem a confirmação do diagnóstico por exame de sangue, e especialmente em áreas onde a doença estiver mais comum.
Como é o tratamento?
O tratamento consiste em amenizar os sintomas, com a reidratação oral ou intravenosa (administração de soro pela veia), repouso e manutenção da atividade sanguínea – o que pode exigir internação hospitalar. A doença dura até dez dias, mas a recuperação total pode levar entre duas e quatro semanas.
Se eu tiver dengue, vou ficar imune pelo resto da vida?
Infelizmente não. Existem quatro vírus diferentes da dengue. A infecção causada por um tipo não imuniza para a doença causada pelos outros. Além disso, a dengue hemorrágica, versão mais grave da doença, costuma se apresentar em pessoas que já tiveram contato com o vírus da dengue.
Fui diagnosticada com dengue. Posso amamentar?
Pesquisas mostram a presença de anticorpos contra a dengue no leite materno e no colostro, o que indica que amamentar protege seu bebê do vírus, em caso de dengue. Por isso é recomendado amamentar normalmente.
Como evitar a dengue?
A dengue não é transmitida diretamente de pessoa para pessoa. As pessoas pegam o vírus quando são picadas pelo mosquito Aedes aegypti, desde que o inseto já tenha picado uma outra pessoa infectada antes.
O mosquito costuma picar durante o dia, e próximo à área onde se reproduz (sua autonomia de voo dificilmente ultrapassa os 100 metros). Uma vez que pique uma pessoa contaminada, o mosquito pode carregar o vírus por toda a vida – e a vida dele dura cerca de 40 dias.
Além de combater os focos de mosquito, como poças d’água, onde eles possam se reproduzir, você pode adotar medidas de prevenção como:
Usar roupas claras.
Usar calça comprida e blusa de manga comprida para reduzir a exposição da pele.
Tentar se manter em áreas mais frescas ou com ar condicionado, já que o mosquito não sobrevive em temperaturas baixas.
Usar repelentes e mosquiteiros para evitar ser picada.
Que tipo de repelente grávida pode usar?
O uso de repelentes na gravidez não é muito estudado, mas os médicos têm recomendado que grávidas usem sim repelente e inseticidas para evitar doenças como a dengue. De acordo com a obstetra Eleonora Fonseca, a grávida pode usar as seguintes alternativas:
Repelente comum em creme ou spray, reaplicado de 6 em 6 horas.
Repelente especial para bebê
Repelente caseiro feitos à base de álcool e cravo-da-índia
Inseticida elétrico
Inseticida em spray, deixando a substância se dispersar por alguns minutos antes de ficar no mesmo ambiente.
Proteja-se contra mosquitos na gravidez
Se você está grávida, deve se proteger de picadas de mosquitos, principalmente devido ao risco de doenças virais transmitidas por eles, como dengue, zika ou chikungunya. Veja a seguir informações simples para ajudar a manter os insetos longe de você e de sua família.
Proteção com segurança. Já se sabe que os mosquitos podem transmitir uma série de doenças, por isso prevenção é a melhor estratégia. É importante, contudo, ter cautela com produtos para combater insetos e ter certeza de que são seguros tanto para a grávida quanto para o bebê.
Elimine a água parada. Mosquitos se reproduzem em água parada, então troque com frequência a vasilha de água de animais e os potes das plantas (você pode colocar areia nos pratos das plantas). Não deixe acumular água em pneus, canos ou calhas. Água de chuva também precisa ser dispersada, em calhas ou áreas baixas do quintal, porque vira criadouro de mosquitos.
Caso você esteja armazenando água da chuva para reaproveitá-la, mantenha o recipiente sempre bem fechado e não guarde por mais de uma semana. Se você suspeita de foco de mosquitos que transmitam dengue, zika e chikungunya na sua região, confira contatos úteis para investigação e fumigação de mosquitos.
grávida de camisa de manga longa
Vista as roupas certas. Cores escuras tendem a atrair mosquitos. Portanto, prefira roupas claras e que cubram a maior parte do corpo (mangas e calças longas). Outra dica é que as roupas não sejam apertadas, porque, por incrível que pareça, mosquitos às vezes conseguem picar através da roupa.
No verão, para não passar calor, escolha peças leves e de tecidos naturais, como o algodão. Os especialistas aconselham hoje em dia a borrifar repelente (não inseticida) em spray na roupa também, para criar mais uma barreira contra os insetos.
Fuja de perfumes fortes. Aromas florais ou adocicados de frutas tendem a atrair mosquitos. Então, antes de comprar, abra e cheire bem embalagens de xampus, sabonetes, cremes e outros cósmeticos. O melhor é usar produtos sem cheiro.
Se você não abre mão de um aroma, o melhor é procurar algo que afaste mosquitos, como lavanda, citronela, capim-limão ou cravo.
Use também repelentes naturais. Uma receita comum é deixar cravos-da-índia mergulhados em álcool por pelo menos quatro dias, e depois misturar o líquido com um óleo suave, como óleo para bebê.
Velas de citronela e óleos essenciais de citronela, eucalipto ou cravo também ajudam a manter os mosquitos longe de casa. Só é preciso muito cuidado com velas acesas em casa. Sempre coloque-as completamente longe do alcance de mãozinhas de crianças ou patas de animais, e nunca deixe uma vela acesa num ambiente sem ninguém.
Coloque telas em portas e janelas. Para evitar que os mosquitos entrem dentro da sua casa, procure instalar telas mosquiteiras em todas as portas e janelas de acesso.
Uma vez instaladas, é preciso checar regularmente se não há nenhum buraquinho ou vão por onde os insetos consigam passar. A grande vantagem das telas é poder deixar a casa aberta e ventilada dia e noite, sem se preocupar com uma “invasão” de mosquitos.
Durma sob um mosquiteiro. Os mosquiteiros são uma ótima proteção contra mosquitos, desde que nenhum tenha conseguido entrar e ficado preso dentro da cama. Eles valem a pena se você não ficar abrindo e fechando a todo o momento. O uso do mosquiteiro pode ser útil porque os mosquitos que transmitem doenças como dengue, zika e chikungunya, embora não tenham hábitos noturnos, gostam de picar de manhã cedinho, nas primeiras horas do dia, quando você ainda pode estar na cama.
Use repelente contra insetos. Os médicos recomendam que grávidas usem repelentes apropriados durante a gestação, já que as possíveis consequências de doenças desenvolvidas a partir de picadas de insetos podem ser sérias. Em geral, repelentes para crianças e bebês são também seguros para grávidas.
É preciso lembrar de reaplicar cremes e sprays a cada seis horas. Passe o repelente também na roupa que estiver vestindo.
Microcefalia: Ministério da Saúde revê critério para diagnóstico inicial de microcefalia: de 33 para 32cm
Número atualizado de casos de microcefalia deve sair na próxima terça-feira (08/12). Com a mudança, a expectativa é que alguns casos suspeitos sejam descartados
O Ministério da Saúde mudou os critérios para o diagnóstico de microcefalia relacionada ao vírus Zika e adotou a medida de 32 centímetros como o ponto de partida para triagem e identificação de bebês não prematuros com possibilidade de ter a malformação no crânio.
Até então, estavam sendo considerados casos suspeitos aqueles em que a criança nascia com menos de 33 centímetros de perímetro cefálico, segundo o Ministério da Saúde, para incluir um número maior de bebês na investigação. Depois de ter o perímetro cefálico medido, para ter o diagnóstico confirmado, a criança precisa passar por outros exames.
Segundo a pasta, a medida segue recomendação da Organização Mundial da Saúde, que considera 32 centímetros a medida padrão mínima para a cabeça de recém-nascidos não prematuros. O perímetro cefálico, medida da cabeça feita logo acima dos olhos, varia conforme a idade gestacional do bebê. Segundo o Ministério da Saúde, para a população brasileira, 33 centímetros é considerado normal.
O que é microcefalia?
Microcefalia é o nome que se dá quando uma criança tem a cabeça menor do que o considerado padrão. Não é exatamente uma doença, e sim um sinal de que o cérebro pode não estar crescendo como deveria.
É o crescimento do cérebro que faz o crânio crescer. Se o cérebro realmente não se desenvolve, a criança pode vir a ter deficiências intelectuais e físicas, em variados graus. Mas é possível uma criança ter microcefalia e não ter atrasos.
É importante lembrar que o cérebro é um órgão ainda bastante misterioso e surpreendente, e são muitos os casos de problemas cerebrais em que as crianças se desenvolveram muito melhor do que previam os médicos.
Como a microcefalia é diagnosticada?
Ainda no útero, a microcefalia pode ser diagnosticada por ultrassom, quando a medida da cabeça (perímetro cefálico), quando comparada com outras medidas do feto, fica abaixo do esperado. Tenha em mente que no ultrassom a medição pode não ser exata, porque depende da habilidade do profissional, da posição do bebê e da qualidade do equipamento. Quando o bebê nasce, a microcefalia é diagnosticada com uma simples fita métrica.
O Ministério da Saúde Brasileiro determinou, para efeito de monitoramento, que serão considerados casos de microcefalia recém-nascidos (desde que nascidos depois de 37 semanas) com perímetro cefálico de menos de 32 cm.
Mas é preciso levar em conta também:
Circunferência cefálica dos pais (se os pais também tiverem a cabeça pequena, pode ser apenas uma característica hereditária).
O fato de o bebê ter nascido de parto normal. É recomendável repetir a medida do perímetro cefálico 3 ou 4 dias depois do parto, porque a cabeça do bebê tem a capacidade de “afinar” para passar pelo canal de parto, e demora alguns dias para voltar ao normal.
As proporções do corpo da criança. Uma criança de estrutura pequena tende a ter uma cabeça menor.
Surto de microcefalia no Brasil pede alerta máximo contra mosquito
País tem 739 casos de microcefalia notificados. E como malformação pode estar ligada ao vírus zika, transmitido pelo Aedes aegypti, vetor da dengue, controle do inseto é urgente.
Novo boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde (MS) mostra que foram notificados 739 casos de microcefalia no país, quase o dobro dos 399 anunciados semana passada. Durante a apresentação do Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), o ministro Marcelo Castro reforçou que o governo concentrará suas ações no combate ao mosquito, que transmite, além da dengue, o chikungunya e o vírus zika, principal suspeito para a explosão de casos da malformação craniana em fetos. O LIRAa apontou que 199 municípios no país estão em situação de risco para surto de dengue, chikungunya e zika. Isso significa que mais de 4% das casas visitadas nestas cidades têm larvas do inseto.
Pernambuco segue com o maior número de casos de microcefalia (487), seguido por Paraíba (96), Sergipe (54), Rio Grande do Norte (47), Piauí (27), Alagoas (10), Ceará (9) e Bahia (8). Goiás registrou seu primeiro caso de microcefalia, o primeiro fora da Região Nordeste, o que deixa autoridades sanitárias em alerta. O aumento dos casos da malformação craniana dos fetos é significativo, e 2015 já supera em quase cinco vezes a média nacional de 2010 a 2014 (156,2).
A descoberta semana passada da presença do genoma do vírus zika no líquido amniótico de duas gestantes da Paraíba pelo Laboratório de Flavivírus do Instituto Oswaldo Cruz, reforçou ainda mais a suspeita da relação entre o vírus e a malformação. Se for comprovada, a situação é preocupante. E os dados do LIRAa só reforçam o cenário de atenção máxima ao mosquito Aedes. Até 14 de novembro, foram registrados 1,5 milhão de casos de dengue no país, um aumento de 176% em relação ao mesmo período do ano passado. O número de óbitos é recorde, e já chegou a 811, 79% a mais que os 453 de 2014.
Em relação ao zika vírus, até esta semana, 18 estados tiveram confirmação laboratorial: Roraima, Pará, Amapá, Rondônia, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Mato Grosso e Paraná. Também foram registrados 17.146 casos suspeitos de febre chikungunya, com 6.726 confirmações. Em 2014, foram notificados 3.657 casos suspeitos da doença.
O primeiro surto do zika foi na Ilha Yap, na Micronésia, em 2007. Mais recentemente, em 2013, número alto de casos ocorreu na Polinésia Francesa, a cerca de 6 mil quilômetros da Austrália. Mesmo sem mortes, 10 mil pessoas foram infectadas, sendo que 70 tiveram complicações neurológicas. Compreender melhor o zika vírus é primordial neste momento. (lersaude.com.br)
***
Aos formandos do município:

Desejamos que esse seu espírito de luta continue levando-o pelos caminhos feridos da vitória.
Deus ilumine todos os seus passos, fazendo com que jamais se apague a luz que nos seus olhos brilha.
Continue sendo esta pessoa maravilhosa e que todos os seus sonhos e planos sejam concretizados.
Somente de bênçãos se encha o seu espírito e que você continue conquistando mais e mais vitórias.
Parabéns pela formatura!
****

O Natal é muito mais que uma data. É tempo de Luz, Paz, União e Fraternidade entre todos. É tempo de celebrar o nascimento de Jesus Cristo. É tempo de acreditarmos que, com vontade e solidariedade, podemos fazer coisas melhores, lançando nosso olhar para o futuro, à frente das dificuldades.
Nesta data, expressamos o melhor que há em cada um de nós em benefício do próximo; rever amigos e familiares que, durante o ano, trabalham longe da sua terra. O Natal é um momento único e vivê-lo em família é uma bênção que eu desejo a todos.
Vivamos intensamente a essência do Natal com alegria, não se esquecendo daqueles que precisam da nossa ajuda e solidariedade. Onde estiver um irmão, faço votos para que o Espírito Santo de Deus e o Natal de Jesus Cristo estejam presentes em clima de fraternidade e amizade.
Feliz Natal e Feliz Ano Novo!
Celso Alves da Silva – Presidente

População cambuquirense, a chegada do mês de novembro traz o período de chuvas na região, que se estende até março. Nesta época, é maior o acúmulo de águas paradas e a consequente proliferação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor dos vírus da dengue.Os vírus e os sintomasO que poucas pessoas sabem é que são 4 tipos de vírus que transmitem a doença: DENV-1, DENV-2, DENV-3, e DENV-4 – e que quando uma pessoa contrai a dengue, fica imune apenas ao vírus que a infectou, podendo ainda ter dengue causada pelos outros tipos de vírus.Todos os vírus  causam os mesmos sintomas: forte dor de cabeça, febre, dor ocular severa (atrás dos olhos), dor nas articulações, dor muscular, erupção cutânea, leve manifestação de sangramento (nariz ou gengiva, hematomas, etc) e febre.  Os sintomas duram de 5 a 7 dias.Tratamento e prevençãoAinda não há vacinas ou medicação específica para tratamento de uma infecção por dengue. Entre as recomendações para o paciente estão: descansar e beber bastante líquido para evitar a desidratação. O uso de analgésicos e antitérmicos específicos para tratar os sintomas deve ser recomendado por um médico, sendo fundamental frisar que medicamentos à base de ácido acetilsalicílico, que possuem efeito anticoagulante, são desaconselhados.A prevenção da dengue é feita através da eliminação do mosquito, que se reproduz apenas em água parada. Pontos que devemos observar são tonéis ou caixas de água sem tampa, vasos de planta e recipientes de bebida de animais – que devem ter a água trocada pelo menos uma vez por semana.Dengue hemorrágicaA Dengue Hemorrágica é uma forma grave da doença que demanda hospitalização, por possuir alto risco para quem a contrai. Inicialmente ela se assemelha a dengue clássica, mas, após o terceiro ou quarto dia surgem sintomas como dores abdominais contínuas, vômitos persistentes, boca seca, pele pálida, dificuldade de respirar sangramento pelo nariz, boca e gengivas e manchas vermelhas na pele. Nestes casos, é fundamental procurar um médico.Dez minutos por semana é o suficiente para combater o mosquito:Desenvolvido por pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), a proposta do conceito 10 Minutos Contra a Dengue é usar apenas 10 minutos por semana para remover criadouros no ambiente doméstico e peri-doméstico, de modo a interferir no ciclo de desenvolvimento do vetor, impedindo que ovos, larvas e pupas do mosquito cheguem à fase adulta. "O Aedes aegypti vive e se reproduz, em geral, dentro e no entorno das residências, por isso temos que ter cuidado redobrado com nossas casa. Se cada um fizer a sua parte, poderemos ter um verão com baixo índice de casos da doença",Ajude a combater a dengue. Para prevenir a chegada da doença veja alguns cuidados importantes: 1 - Mantenha bem tampados: caixas, tonéis e barris de água.2 - Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira sempre bem fechada.3 - Não jogue lixo em terrenos baldios.4 - Se for guardar garrafas de vidro ou plástico, mantenha sempre a boca para baixo.5 - Não deixe a água da chuva acumulada sobre a laje.6 - Encha os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda.8 - Se for guardar pneus velhos em casa, retire toda a água e mantenha-os em locais cobertos, protegidos da chuva.9 - Limpe as calhas com frequência, evitando que galhos e folhas possam impedir a passagem da água.10 - Lave com freqüência, com água e sabão, os recipientes utilizados para guardar água, pelo menos uma vez por semana.11 - Os vasos de plantas aquáticas devem ser lavados com água e sabão, toda semana. É importante trocar a água desses vasos com frequência.***15 de novembro – Proclamação da RepúblicaHá 126 anos, a história do Brasil mudava de rumo com a Proclamação da República. A data marcou o fim da monarquia brasileira com a instalação de um governo provisório e a publicação do decreto número um anunciando a República Federativa.O anseio do povo por um sistema democrático, com mais liberdade econômica e menos autoritarismo desgastou a monarquia e abriu uma crise.  Os rumores de corrupção na Corte causaram descontentamento entre os militares brasileiros e a imprensa, a classe média e os profissionais liberais que desejavam mais liberdade política. Por isso, muitos se engajaram no movimento republicano, que defendia o fim da Monarquia e a implantação da República.No 15 de novembro de 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca proclamou a República no Brasil. Logo Dom Pedro II receberia a notícia de que seu governo havia sido derrubado e um decreto o expulsava do país, juntamente com sua família. Dias depois, voltaram a Portugal.Para governar o Brasil República, os republicanos criaram um governo provisório, tendo o Marechal Deodoro da Fonseca permanecido como presidente do país. Rui Barbosa, Benjamin Constant, Campos Sales e outros nomes importantes do movimento republicano foram escolhidos para formar os ministérios.A Proclamação da República é um dos fatos mais marcantes de nossa história.Celso Alves da Silva - Presidente

Home
Avenida Virgílio de Melo Franco, N° 471 || Cambuquira / Centro - Minas Gerais / Brasil || 37420-000
Mail camara@camaracambuquira.mg.gov.br Phone (35) 3251-1486 // 3251-2323
Fax

(35) 3251-1486 // 3251-2323