Palavra do Presidente

População cambuquirense, dentro do Estado Democrático de Direito, em que pese sua independência, os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, são harmônicos. O Poder Legislativo, exercido pelo sistema de representação, tem na figura do vereador a sua expressão máxima, pois, em síntese, a ele cabe transformar os anseios de seus munícipes em ações diretas, na forma de leis ou buscando junto do Executivo obras ou atos que beneficiem a sua comunidade.
As atribuições da Câmara Municipal passam desde a representatividade dos anseios da população até a condição de fiscalizador do dinheiro público. A função que melhor traduz a instituição Câmara Municipal é a função legisladora que tem como atividades mais comuns legislar sobre tributos de sua competência, autorizar isenções e outros benefícios, votar o Orçamento anual, e Plurianual, criar e extinguir cargos públicos, suplementar a Legislação Federal e Estadual no que couber, fixar remuneração do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Vereadores.
A Câmara Municipal também tem atribuição Administrativa, onde organiza e administra seus próprios recursos. Outra atribuição é a Julgadora, normalmente exercida no julgamento das contas do Prefeito e em caso de cassação de mandato previsto em Leis. Por último a atribuição Fiscalizadora, esta atribuição abrange o controle político-administrativo sobre a conduta do Executivo, compreendendo a fiscalização contábil, financeira, operacional e patrimonial.
O Presidente da Câmara é responsável por representar a Casa perante as autoridades públicas e a sociedade civil. É seu papel dirigir os trabalhos institucionais e manter sua ordem. Cabe ao parlamentar que ocupa o cargo autorizar a realização de despesas, prestar contas dos gastos do legislativo, assinar a correspondência oficial e convocar reuniões. Em dezembro de 2014, Eu, Celso Alves da Silva, (PT) fui eleito para a presidência da Câmara de Cambuquira no biênio 2015-2016. Em meu segundo mandato como vereador e primeiro de presidente continuarei a trabalhar de forma honesta e sincera, fazendo jus a credibilidade a mim depositada. Não tenham dúvidas de que me esforçarei ao máximo na realização de minhas obrigações, sempre contando com a ajuda de meus nobres Pares aqui nesta Casa Legislativa. Estamos apenas iniciando o ano e temos muito trabalho pela frente, peço a ajuda e compreensão de todos os cambuquirenses nesta luta que não é fácil, acompanhem nossos trabalhos através de nosso informativo e do site, www.camaracambuquira.mg.gov.br, e compareçam às nossas reuniões que são realizadas às terças-feiras, às 19 horas.
***
Outro fato que muito nos preocupa é quanto à epidemia de dengue que aflige nossa população. A dengue é uma doença febril aguda causada por um vírus, sendo um dos principais problemas de saúde pública no mundo. O seu principal vetor de transmissão é o mosquito Aedes aegypti, que se desenvolve em áreas tropicais e subtropicais.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que entre 50 a 100 milhões de pessoas se infectem anualmente com a dengue em mais de 100 países de todos os continentes, exceto a Europa. Cerca de 550 mil doentes necessitam de hospitalização e 20 mil morrem em consequência da dengue.
Existem quatro tipos de dengue, pois o vírus causador da dengue possui quatro sorotipos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. A infecção por um deles dá proteção permanente para o mesmo sorotipo, mas imunidade parcial e temporária contra os outros três.
Embora pareça pouco agressiva, a doença pode evoluir para a dengue hemorrágica e a síndrome do choque da dengue, caracterizadas por sangramento e queda de pressão arterial, o que eleva o risco de morte. A melhor maneira de combater esse mal é atuando de forma preventiva, impedindo a reprodução do mosquito.
Em 1865 foi descrito o primeiro caso de dengue no Brasil, na cidade de Recife, sendo considerada epidêmica em 1846, quando se espalhou por vários estados, como Rio de Janeiro e São Paulo. Acredita-se que o mosquito Aedes aegypti chegou ao Brasil pelos navios negreiros, uma vez que as primeiras aparições do mosquito se deram no continente africano. No início do século XX, o médico Oswaldo Cruz implantou um programa de combate ao mosquito que chegou a eliminar a dengue no país durante a década de 1950.
A dengue voltou a acontecer no Brasil na década de 1980, tendo seus primeiros novos casos em Roraima pelos vírus DEN1 e DEN4. Em 1990, houve a introdução do vírus DEN2 no Rio de Janeiro, atingindo várias áreas do Sudeste, levando a uma epidemia em 1998, com mais de 500.000 casos no país. Em 2000, o vírus DEN3 foi isolado no Rio de Janeiro, e uma nova epidemia de dengue aconteceu entre 2001 e 2003. Antes dessa década, os casos de dengue hemorrágica no país eram raros, mas com a introdução do novo vírus diversas pessoas contraíram a dengue pela segunda ou terceira vez.
Caso ocorra um segundo ou terceiro episódio da dengue, há risco aumentado para formas mais graves da dengue, como a dengue hemorrágica e síndrome do choque da dengue.
Prevenção:
O mosquito Aedes aegypti é o transmissor do vírus e suas larvas nascem e se criam em água parada. Por isso, evitar esses focos da reprodução desse vetor é a melhor forma de prevenir a dengue! Veja como eliminar o risco:
Evite o acúmulo de água
O mosquito coloca seus ovos em água limpa, mas não necessariamente potável. Por isso é importante jogar fora pneus velhos, virar garrafas com a boca para baixo e, caso o quintal seja propenso à formação de poças, realizar a drenagem do terreno. Também é necessário lavar a vasilha de água do bicho de estimação regularmente e manter fechadas tampas de caixas d'água e cisternas.
Coloque areia nos vasos de plantas
O uso de pratos nos vasos de plantas pode gerar acúmulo de água. Há três alternativas: eliminar esse prato, lavá-lo regularmente ou colocar areia. A areia conserva a umidade e ao mesmo tempo evita que e o prato se torne um criadouro de mosquitos.
Coloque desinfetante nos ralos
Ralos pequenos de cozinhas e banheiros raramente tornam-se foco de dengue devido ao constante uso de produtos químicos, como xampu, sabão e água sanitária. Entretanto, alguns ralos são rasos e conservam água estagnada em seu interior. Nesse caso, o ideal é que ele seja fechado com uma tela ou que seja higienizado com desinfetante regularmente.
Limpe as calhas.
Grandes reservatórios, como caixas d'água, são os criadouros mais produtivos de dengue, mas as larvas do mosquito podem ser encontradas em pequenas quantidades de água também. Para evitar até essas pequenas poças, calhas e canos devem ser checados todos os meses, pois um leve entupimento pode criar reservatórios ideais para o desenvolvimento do Aedes aegypti.
Coloque tela nas janelas
Embora não seja tão eficaz, uma vez que as pessoas não ficam o dia inteiro em casa, colocar telas em portas e janelas pode ajudar a proteger sua família contra o mosquito da dengue. O problema é quando o criadouro está localizado dentro da residência. Nesse caso, a estratégia não será bem sucedida. Por isso, não se esqueça de que a eliminação dos focos da doença é a maneira mais eficaz de proteção.
Lagos caseiros e aquários
Assim como as piscinas, a possibilidade de laguinhos caseiros e aquários se tornarem foco de dengue deixou muitas pessoas preocupadas. Porém, peixes são grandes predadores de formas aquáticas de mosquitos. O cuidado maior deve ser dado, portanto, às piscinas que não são limpas com frequência.
Seja consciente com seu lixo
Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira bem fechada. Não jogue lixo em terrenos baldios
Jogue no lixo todo objeto que possa acumular água, como embalagens usadas, potes, latas, copos, garrafas vazias etc.
Mantenha o saco de lixo bem fechado e fora do alcance de animais até o recolhimento pelo serviço de limpeza urbana.
Procure não acumular lixo e entulhos no quintal de sua casa.
Não despeje lixo em valas, valetas, margens de córregos e riachos. Assim você garante que eles ficarão desobstruídos, evitando acúmulo e até mesmo enchentes. Em casa, deixe as latas de lixo sempre bem tampadas.
Uso de repelente
O uso de repelentes, principalmente em viagens ou em locais com muitos mosquitos, é um método paliativo para se proteger contra a dengue. Recomenda-se, porém, o uso de produtos industrializados. Repelentes caseiros, como andiroba, cravo-da-índia, citronela e óleo de soja não possuem grau de repelência forte o suficiente para manter o mosquito longe por muito tempo. Além disso, a duração e a eficácia do produto são temporárias, sendo necessárias diversas reaplicações ao longo do dia, o que muitas pessoas não costumam fazer. Combater a dengue é um dever meu, seu e de todos nós.
(fonte: minhavida.com.br e Ministério da Saúde)

Celso Alves da Silva – Presidente

Meus amigos, estive em Brasília nos dias 25, 26 e 27 de novembro para participar do 7º Congresso Brasileiro de Câmaras Municipais promovido pela Associação Brasileira de Câmaras Municipais (Abracam).
O objetivo foi discutir assuntos como a lei de resíduos sólidos, orçamento impositivo por maior repasse de recursos por parte do governo federal (FPM), a reforma política, além de abordar técnicas parlamentares.
Assim, além de caráter informativo, o evento serviu como instrumento de pressão política para que o Congresso Nacional repense a forma de partilha dos recursos da União entre Estados e Municípios.
Além da participação no curso da Associação Brasileira de Câmaras Municipais (Abracam), destaco a importância de estreitar os laços com os deputados federais e ministérios e, com isso, realizar parcerias sérias e duradouras em busca de emendas parlamentares para o desenvolvimento do nosso município.
Amigos é chegada a hora de despedir-me. Foi um privilégio servir pela quinta vez a presidência da Câmara Municipal de Cambuquira, desta honrosa Casa que trago no coração há 16 (dezesseis) anos, onde fui presidente por 5 (cinco) vezes. Foi mais um período marcante, onde procurei conviver mais próximo e intensamente com meus companheiros e companheiras de vereança. Sempre procurando trabalhar em prol dos munícipes de nossa amada terra. Procurei representar da melhor maneira o Legislativo Municipal, focado na responsabilidade que me foi incumbida.
Ajudei o Executivo Municipal no que foi necessário e certo, pois sempre agi dentro da legalidade, defendendo o estandarte da justiça e auxiliei muito meus companheiros aqui na Câmara, não sou dono da verdade, mas tenho experiência pelos anos de legislação para poder ajuda-los nas dúvidas que não são raras.
Economizei o máximo possível para ajudar o nosso município, tendo devolvido este ano aos cofres da Prefeitura mais de R$ 177.000,00 (cento e setenta e sete mil reais) para serem repassados aos setores mais necessitados da administração.
Também não poderia deixar de agradecer aos assessores desta Egrégia Casa, sempre dispostos a ajudar no que for necessário, a todos vocês o meu muito obrigado.
Aos cambuquirenses, digo-lhes, volto a atuar no Plenário, mas minha disposição de trabalhar por nossa cidade é a mesma. Continuarei atento aos problemas da cidade e atendendo ao cidadão da mesma maneira que fiz durante os anos de vereança.
Enfim, nesse momento de paz, onde todas as pessoas se abraçam, se entendem, se cumprimentam e buscam novos sonhos, para tentar descobrir a razão de ser feliz de verdade.
Nesse momento onde Deus se faz presente em cada oração, cada família, em todos os lares, eu também gostaria de expressar o meu carinho por vocês.
Quero desejar que os seus passos nunca estejam sós; estejam sempre amparados pelos querubins e arcanjos que têm a missão de caminhar com você segurando firme em suas mãos para que os seus pés nunca venham a tropeçar no meio do caminho.
Que neste Natal você possa sentir a presença de Deus, da Paz, do Amor e do Perdão. Feliz Natal, na Paz do Senhor!
Paulo César da Costa

Home
Avenida Virgílio de Melo Franco, N° 471 || Cambuquira / Centro - Minas Gerais / Brasil || 37420-000
Mail camara@camaracambuquira.mg.gov.br Phone (35) 3251-1486 // 3251-2323
Fax

(35) 3251-1486 // 3251-2323